Notícias

02/08/2019 - Andre Navarrete
Internet das coisas, IA e outras tecnologias inovadoras dão choque de gestão na medicina

Um dos segmentos da economia que mais crescem e se desenvolvem no mundo – e no Brasil não é diferente – é a saúde, tanto pública quanto privada. Grandes desafios para a medicina, contudo, são a qualidade, rapidez e sustentabilidade financeira do atendimento a mais de 200 milhões de brasileiros. A saída é um choque de gestão.
Para tal, a medicina pública e privada dispõe de tecnologias inovadoras, como sistemas de administração, controle e monitoramento remotos; Internet das Coisas (IoT); automação laboratorial; inteligência artificial e aplicativos para rastreamento e diagnóstico.
Atualmente, no Brasil, as operadoras de planos de saúde são responsáveis por aproximadamente 60% dos recursos empregados na área, enquanto o Sistema Único de Saúde (SUS), público, responde por 40%.
Como os planos de saúde têm em torno de 48 milhões de beneficiários, ou seja, menos de um quarto da população, é evidente que faltem recursos financeiros públicos para que o SUS atenda a mais de 75% dos brasileiros. A boa notícia é que há muitas oportunidades de melhorar o atendimento sem ampliar os orçamentos, com os avanços tecnológicos, como a impressão em 3D de órgãos e partes do corpo, e a imunoterapia (tratamento menos agressivo para vários tipos de câncer, por meio do próprio sistema de defesa do corpo).
Operadoras privadas e o governo já trabalham, por exemplo, para mudar o modelo assistencial do país, que privilegia consultas a especialistas e excessivos exames. O foco se desloca para a atenção primária à saúde, como no Reino Unido, que tem um dos melhores sistemas de saúde pública do mundo, o NHS.
A base deste tipo de atenção é o relacionamento com o médico de referência, espécie de médico da família, consubstanciada por históricos digitais (consultas, exames e procedimentos). Evita-se a duplicidade de exames e consultas.
Prontuário e registro eletrônico de saúde, portanto, são os primeiros passos deste processo. Sistemas administrativos, softwares para controle de eventos (consultas, exames e internações), estudos preditivos (da incidência de doenças por faixa etária, renda, região, profissão etc.), gestão hospitalar, de medicamentos e de OPME (órteses, próteses e materiais especiais) significam mais qualidade e menos custos na cadeia da saúde.
O uso combinado de IoT, aprendizado de máquinas, sensores e dispositivos móveis facilita a preservação de vacinas; promove o rastreamento de hábitos que podem provocar graves enfermidades; viabiliza o monitoramento de indicadores como pressão arterial, batimentos cardíacos e níveis de glicose no sangue; e possibilita pronta reação a ocorrências como Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC).
Não está longe o dia em que o atendimento à saúde, inclusive medicamentos e terapias, será personalizado, segundo compleição física, DNA, doenças preexistentes, histórico familiar e a ação interna de nanorrobôs. Os remédios, a propósito, serão entregues por drones, rapidamente. Quem se cuidar, verá.

Esse e outros temas serão debatidos no INNOVATION MEETING e no INNOVATION HEALTH, eventos que acontecerão dias 30 e 31/08/2019 no Sheraton Reserva do Paiva - Cabo de Santo Agostinho - PE.
*exclusivo para convidados
Maiores informações sobre os impactos da LGDP através do 81 999259877 ou 81 991083332 ou contato@optimizegroup.com.br
 
*André Navarrete é Presidente da Optimize Group  e Co-founder do do GETIC NE (Grupo de Executivos de Tecnologia, Inovação e Comunicação do NE).



Outras Notícias:

01/08/2019 - Robótica e Inteligência Artificial desafiam empregos e previdência
03/06/2019 - Lei vai coibir compartilhamento de dados pessoais
31/05/2019 - Lei vai coibir compartilhamento de dados pessoais
19/08/2018 - Touching the future
23/05/2018 - Futuro do mercado de trabalho: Empregabilidade X Trabalhabilidade
23/03/2018 - O executivo de TIC, a inovação e as bikes
14/02/2018 - 12 tecnologias disruptivas para os negócios em 2018
13/12/2017 - Dom Quixote e o Uber
04/10/2017 - Como racionalizar e garantir o ROI em TIC?
11/06/2017 - Comporte-se, o mundo está de olho em você
30/05/2017 - Os impactos das novas tecnologias nas indústrias, empresas e na sociedade
10/03/2017 - Convidados Confirmados
08/03/2017 - Convidados Confirmados
24/01/2017 - Hackers roubaram dados de 29 mil clientes da XP Investimentos
24/01/2017 - Gastos mundiais com TI devem crescer 2,7% em 2017, aponta Gartner
18/01/2017 - Crie startups na empresa antes que algum aventureiro empreendedor o faça
27/11/2016 - O conservadorismo que ameaça a sobrevivência
24/11/2016 - Síndrome dos projetos malfeitos
10/11/2016 - Como evitar a ‘Trumperização’ da política
11/10/2016 - Ventos que movem moinhos
29/08/2016 - Lições dos atletas para o mundo corporativo
20/08/2016 - ANDRÉ NAVARRETE PROJETA TRANSFORMAÇÕES CULTURAIS PÓS-CAÇADORES DE POKÉMON
02/08/2016 - Construção civil usa ferramentas tecnológicas em processos, sustentabilidade e relação com o cliente
22/07/2016 - AVANÇOS X RISCOS DE SEGURANÇA
28/06/2016 - Proteja seus dispositivos tecnológicos
17/06/2016 - Limite de dados pode impedir desenvolvimento digital
13/05/2016 - André Navarrete: Carta aberta ao Dr. Michel Temer
30/04/2016 - Disrupção, o palavrão que amplia o escopo da tecnologia
06/04/2016 - Transformação Digital, Já!
01/12/2015 - Como tornar TI mais estratégica nas empresas
Acesse aqui a área do inscrito e Retire seu Certificado
FOTOS
Veja a edição 2018
Veja a edição 2017
Contagem regressiva
00
dias
00
horas
00
minutos
00
segundos

REALIZAÇÃO

PATROCINADORES

APOIO INSTITUCIONAL

APOIO

ORGANIZAÇÃO